Tecnologias do Pré-sal

Atingimos a marca histórica de 1 bilhão de barris produzidos no pré-sal

parente-1

Celebramos hoje, com nossos parceiros, uma marca histórica: o total de 1 bilhão de barris de petróleo produzidos no pré-sal. Essa produção acumulada ocorre apenas seis anos após a entrada do primeiro sistema de produção na Bacia de Santos, no campo de Lula, e dez anos após a primeira descoberta em 2006, e demonstra a capacidade técnica e  de realização da companhia.

Esse desempenho é ímpar na história mundial da produção offshore de petróleo. Comparando com outras importantes áreas petrolíferas do mundo, na porção americana do Golfo do México, esse patamar foi atingido 14 anos após o início da produção comercial e, no Mar do Norte, em oito anos. No Brasil, esse mesmo patamar só foi atingido na Bacia de Campos depois de 15 anos de produção comercial.

Para celebrar o resultado obtido, nosso presidente, Pedro Parente, nossa diretora executiva de Exploração e Produção, Solange Guedes, e nosso diretor executivo de Desenvolvimento da Produção & Tecnologia, Roberto Moro, embarcaram no FPSO Cidade de Itaguaí, instalado na área de Iracema Norte, no pré-sal da Bacia de Santos, para participar de uma solenidade em comemoração ao patamar atingido. Eles homenagearam alguns dos pioneiros da descoberta e do desenvolvimento do pré-sal, em reconhecimento à contribuição dos outros milhares de colaboradores que tornaram esse resultado possível.

O presidente Pedro Parente destacou a importância das pessoas na jornada que levou ao 1 bilhão de barris. “É um momento de homenagem a um time valoroso, que acredita no que faz. É uma justa homenagem àqueles que fizeram o sucesso que é esta empresa. Descobrir e produzir petróleo no pré-sal foi um gesto de fé e de superação de desafios. E acreditar é uma palavra fundamental para superarmos os desafios que ainda temos pela frente. Estamos vivendo um momento de virada e não temos dúvida da nossa imensa capacidade de realização. Estou muito emocionado diante da grandeza do que está acontecendo aqui hoje”, disse o presidente.

Visita

A diretora executiva de Exploração & Produção, Solange Guedes, reforçou a importância de se contar essa história. "Chegar ao 1 bilhão de barris em apenas seis anos em águas ultraprofundas é uma realização ímpar. Não é qualquer companhia que pode contar essa história. Fico feliz de podermos celebrar esse marco e homenagear as pessoas que fizeram parte dele. Nós herdamos e entregamos histórias, por isso precisamos lembrar delas e entregar novas histórias para serem contadas novamente no futuro. E essa história é contada por pessoas, seja aqui na Petrobras, seja fora da companhia", afirmou.

Representando os empregados, o engenheiro Humberto Americano Romanus, da área de Segurança, Saúde e Meio Ambiente, ressaltou a dedicação que nos levou a essa marca histórica. "É um privilégio muito grande representar as pessoas que fizeram parte dessa história. São mulheres e homens que se dedicam dia e noite para cumprir os objetivos da companhia. É um trabalho muito importante que é feito aqui na ponta. Me sinto muito honrado de estar aqui hoje. Agradeço a todos e vamos em frente, com segurança".

Dez anos após a primeira descoberta comercial naquela província, o pré-sal tornou-se uma das regiões produtoras mais competitivas do mundo. A área tem produtividade média acima da indústria mundial em campos offshore – chegando à vazão de 25 mil barris por dia por poço em alguns casos, produtividade 30% maior em relação a 2010 – o que leva à necessidade de interligar menos poços por sistema de produção.

A produção de petróleo do pré-sal é muito importante para a recuperação financeira da companhia. É uma produção em grande escala de um petróleo de ótima qualidade para o refino e com custo de extração inferior a US$ 8/barril. Hoje, com a contribuição de apenas 11 sistemas dedicados, nove na Bacia de Santos e dois na Bacia de Campos, o pré-sal já representa quase 50% da nossa produção operada e por cerca de 35% da nossa produção própria. Entre 2017 e 2021, 16 novos grandes sistemas de produção entrarão em operação no pré-sal.

Rota 2 - Registramos ainda outro resultado importante no pré-sal. O gasoduto Rota 2 atingiu, no dia 15/11, a marca de 2 bilhões de metros cúbicos de gás exportados, apenas nove meses após o início de sua operação, em fevereiro deste ano. Com 401 km de extensão, o Rota 2 é o gasoduto de maior extensão do país e interliga os sistemas de produção do pré-sal da Bacia de Santos ao Terminal de Tratamento de Gás de Cabiúnas, em Macaé (RJ). Diariamente, essa malha de dutos exporta, em média, 12 milhões de m³/dia para o terminal, sendo responsável por 70% do gás escoado naquela província.

*Foto: Os diretores Solange Guedes e Roberto Moro ao lado de Pedro Parente na visita ao FPSO Cidade de Itaguaí


Contador de páginas